sábado, 27 de fevereiro de 2010

Fevereiro

A chuva e o vento vieram passar o dia.
Depois o silêncio que surge, quando já não se espera.
Um fim de tarde seca e um anoitecer gélido.
Ainda assim, uma sensação de conforto que se instala,
quando o vento passa.

Raul Steinberg

Lhasa de Sela

Gosto dos tons

Gosto dos tons que as horas vão emprestando às paredes.
Da claridade.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Sem memórias

Calcorriei as calçadas de Tavira em pedra rosa e branca.
Entrei nas casas, nos templos,
perdi-me nos telhados.
Atravessei pontes.
Vi os muros brancos envoltos na velatura de um dia sem cor.
Estive no largo, andei pelo beco estreito,
e saí, _________________sem memórias.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

A senhora mais nova

Estava a chover, muito vento, e a minha mãe com dois sacos nas duas mãos, mal envolta na gabardina, singularmente torcida e bambeada, como anda habitualmente, aguardava à porta do supermercado uma aberta para sair, quando alguém se aproximou em ar de admoestação:
- Devia ter trazido um chapéu, não pode apanhar chuva, não sabe que pode ficar constipada?
A minha mãe, olha, sorri, não diz nada. Pensa que ela não sabe, que se trouxesse o chapéu já não podia carregar as compras, mas deixou-se ficar calada, para que a senhora nova permanecesse na convicção de que ainda sabe tudo.
A senhora nova, aproxima-se da minha mãe, e enterra-lhe o capucho a tapar-lhe os olhos.
A minha mãe sorri, não agradece e sai.
-Sabes filha, estou descontraída, até amanhã !....
Ouve, ela não me pôs o capucho como tu pões.
Tapou-me os olhos! ...
Ainda a ouvi sorrir, mesmo antes de desligar o telefone.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Agnes Martin

"When I think of art, I think of beauty. Beauty is the mystery of life. It is not in the eye, it is in the mind."

Agnes Martin

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Nathalie Dérouet

Encontrei por acaso, Nathalie Dérouet, e ainda bem :)

Refúgio

Pêssego

A saudade que tenho dos dias quentes.
Nunca tinha visto o Monte Alto em cor de verdete, com o cimento e os vasos a parecerem as casas da Beira
A terra está com um cheiro lavado, e os malmequeres da vila cá estão a cumprir as suas funções.
É o meu jardim.
Vou ter um pessegueiro de uma variedade California, que o sr. José Luís preservou nos seus 20 hectares, ali para os lados da Penina.
Uma terra que vai morrer com ele.
Agora, só o sr. José Luis e dois amigos é que cultivam essa espécie, trazida nos anos sessenta para o Algarve.
O tempo dos pomares de fruta no Algarve.
Lembro-me dos morangos e dos tais pêssegos, espalhados na pedra de mármore do armário da casa de jantar da minha avó. Do cheiro intenso e doce , que só o calor sabe emprestar.
Estou a ver a luz a entrar pelas portadas de madeira branca e a lançar cores no chão preto e branco, e os pêssegos , vermelho sangue e amarelo ouro.
Quando ando por aí, gosto de passar por lá.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

O teu olhar

Fallorca, 2009
Quando estou contigo, não vejo o teu olhar.
Não está.

Lee Clayton

Mick Namarari Tjapaltjarri

Como estes olhos vêm, e o que estas mãos sabem...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

E depois,

"Twenty years from now you will be more disappointed by the things that you didn’t do, than by the ones you did do.
So throw off the bowlines. Sail away from the safe harbor. Catch the trade winds in your sails.
Explore. Dream. Discover."
Mark Twain
Ilustração: Anna Kyriacou